FAÇA BEM O QUE TE FAZ FELIZ

 em Uncategorized

Sabe aquela fala pronta que toda boa mãe de família adora esbravejar? “Eu não tenho tempo
pra mim! Eu não tenho tempo pra nada!” Pois bem! Esse é aquele velho discurso que você
passa anos escutando, concorda que está tudo errado, seu consciente vira inimigo do
subconsciente, mas quando chega sua vez… BAM! Como uma bela moça, recatada e do lar,
você se enquadra, você repete padrões! Repete falas!
Acontece nas melhores e piores famílias, acredite! Acontece de forma natural e intuitiva,
porque foi o que você aprendeu na escola da vida. Me vi repetindo essa frase inúmeras vezes…
E não era mentira. Queria sim tempo pra mim. Tempo que não fosse corrido, que não fosse
atropelado e que não ficasse presa ao celular. Queria poder relaxar como antes.
Mas antes de que? Antes de tudo. Antes de ter que crescer. Antes de não ter
responsabilidades tão intensas, família, cargas, culpas. Antes era só uma menina meio
inconsequente que adorava dar risada de tudo. Mas não era o que sempre determinei como
objetivo de vida? Não era o que sempre idealizei como sonho?
Me vi assim… Brava, amargurada, repetindo falas, querendo o mundo, mudanças, mas sem
saber exatamente o que! Talvez só queria o antes… o que já não tinha mais. Parece conversa
de bêbado ou gente confusa, mas hoje temos tanta insatisfação pessoal, buscamos tanto o
tempo todo, que nem sabemos o momento de parar e simplesmente agradecer…
Repeti tanto essa fala, que o universo me presenteou com o tempo. Pedi tanto que pudesse
ter mais calma, que recebi. Em meio a um divórcio turbulento (ainda quero descobrir qual não
é!), o pai da minha filha e ela foram passear juntos num domingo de sol. Hoje sem lágrimas
nos olhos, te digo que foi um dos piores momentos que passei na minha vida.
Mas Bah guria!!! Por que??? Não era o que tu querias??? Não queria tempo pra você? Mais
calma, mais alegria? E aí? Por que não aproveitastes???
Quando me vi só, chorei intensamente! Quem me conhece, sabe que adoro um dramalhão
daqueles que a gente vai se arrastando pela parede ouvindo : “OOOO by my self, I wanna
be… Oooo by my self. Mas quem me conhece ainda mais, sabe que o choro é meu grande
start. É o momento que me olho no espelho, limpo as lágrimas e me fortaleço.
Após a chuva de lamentações, comecei a questionar por que me torturava tanto o fato de
estar sozinha.
Te digo com convicção que auto análise e auto conhecimento nesses momentos de dor são
fundamentais para a cura. Juntei meus caquinhos ( tinha tempo!) e após muita reflexão,
compreendi o quanto estava perdida na vida. Percebi o tamanho da entrega que depositei no
papel de ser esposa e mãe. Me vi assim… sem hobbys, sem objetivos…
Percebi que havia uma intensa relação entre identidade (ou falta dela) e expectativas. Quanto
menos objetivos, foco, vontades você tem na vida, mais vai gerar pressão nas suas relações.
Você sempre irá cobrar atitudes, palavras, segurança. Você depende tanto daquela relação,
tem tanto medo de perder, que exige inconscientemente uma espécie de fiança do outro. Já

que não tenho segurança em mim, vou EXIGIR segurança do outro, bem assim! Obviamente
essa conta não fecha e há grandes chances de dar errado. Essa expectativa tende a se tornar
insegurança, porque ninguém no mundo vai conseguir te suprir. Entenda que o buraco está em
você!
Se você insiste em viver sem hobbys, vontade própria ou se acha incapaz de dizer não, confie
em mim, em algum momento você também vai se sentir só. Investir em você quer dizer que
você se ama, se cuida, se respeita, se valoriza e que gasta tempo com você mesma. Proteja sua
essência, se blinde quando necessário, rodeie-se de amor. Não estar disponível 24h te torna
mais interessante. Isso quer dizer AUTO ESTIMA elevada.
Quando parei de culpar minha separação por me sentir sozinha, tirei a responsabilidade do
outro e agarrei as rédeas da minha vida. Por um tempo continuei brava, irritada, instável e
ainda precisava diluir a perda do padrão família perfeita que criei dentro de mim. Foi
simplesmente uma necessidade libertadora!
Durante esse período resolvi investir verdadeiramente em mim. Parei de comprar roupas e
foquei com o que realmente iria me fortalecer. Me mantive em terapia, constelei, fiz novos
amigos, sai da rotina, fui em vidente, viajei sem minha filha, vi o sol nascer…
Sabia que se mudasse meu comportamento, novas respostas viriam do universo. E sim, a
vibração mudou!
Me espelhei na dramática Katie Scarlett O’Hara de “O Vento Levou” (meu filme preferido
desde os 9 anos de idade). Tudo bem que ela vivia uma tragédia familiar em meio a uma
guerra civil nos EUA, onde passou fome, viveu na miséria, perdeu amigos e familiares. Mas se
teve uma coisa que aprendi com ela, além da força e determinação, foi que “Amanhã é um
novo dia”. Amanhã sempre será um novo dia. Você sempre pensará diferente de ontem.
Resolvi ali naquele domingo, que nunca mais iria depender emocionalmente de ninguém. Que
estar sozinha precisava ser uma opção. Que eu precisava me amar acima de tudo! E que só
assim, independente de qualquer coisa, estaria bem comigo mesma! Essa era minha cura!
Estar sozinha não pode ser um pânico… pelo contrário… Deve ser prazer. Significa tempo pra
você, confiança, serenidade, paz. Deve ser o momento mais esperado do dia. Momento que
você se conecta com você mesma e não com o outro. Não pense que vivo isolada em um
casulo. Pelo contrário, vivo rodeada de pessoas. Mas as vezes amo estar sozinha.
Daí você automaticamente começa a se orgulhar. As pessoas começam a te ver diferente…
Mas você está diferente!!! Sua energia muda, você reflete serenidade de dentro pra fora. Você
fica mais bonita! O que você antes cobrava, agora é natural.
Por isso, não aceito mais o meio termo! Faço o melhor que posso pra me fazer feliz!

Postagens Recentes
Mostrando 6 comentários
  • Avatar
    Camila P
    Responder

    ❤ parabéns.

    • Avatar
      Maria José
      Responder

      Amei seu texto !!!!!

      • Avatar
        Mariane
        Responder

        Fico muito feliz por isso! Obrigada!

  • Avatar
    Mari
    Responder

    Obrigada Camila!!! ❤️

  • Avatar
    Marina Ferreira (Cidinha)
    Responder

    Adorei. Exatamente assim . Separação é mesmo um reviravolta de sentimentos/ valores/ angústia/solidão/insegurança / baixa autoestima, td de uma vez. Entretanto, um crescimento incrível. Tipo: eu posso, sou mais eu, sou como uma leoa. Ao final, fica esse sentimento de que demos o Pulo da Gata. Não é mesmo Mariane. Saudades

    • Avatar
      Mariane
      Responder

      Obrigada Cidinha!! Verdade verdadeira! Hj vejo que toda dificuldade trás grande aprendizado! E tudo depende em como vc enxerga tal situação! 🙏🏻
      O importante é crescer de alguma forma!

Deixe um Comentário

Contato

Olá! Tudo bem? Entre em contato comigo e logo respondo suas dúvidas!

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt